sexta-feira, setembro 20, 2013

Meu amor, Meu bem, Meu querido por Deb Caletti


INFORMAÇÕES:
QUANTIDADE DE PÁGINAS: 234
EDITORA: Novo Conceito
COMPRE: Submarino, Saraiva

Meu amor, Meu bem, Meu querido conta a história de Ruby McQueen, uma garota de dezesseis anos, bem retraída. Ela se intitula como uma Pessoa Calada, que não gosta muito de ser o centro das atenções, tampouco arriscar e ser ousada na vida. Ruby mora com a mãe e seu irmão, e apesar de ter pais divorciados, ela ainda mantem contato com o pai, um suposto garanhão que ganha a vida cantando em um parque de diversões. Sua mãe, além de dividir o tempo dirigindo um clube do livro onde participam um grupo de senhoras conhecidas como as Rainhas Caçarolas, e trabalhando em uma biblioteca, mantem um estado emocional complicado quando o assunto é aceitar o fim do relacionamento com o pai da filha e simplesmente seguir em frente.

Em contrapartida, temos Travis, um garoto rico, com uma bela aparência e que adora aventuras, mas carrega uma má-fama de garoto problema por ter já sido pego por pequenos delitos. Acontece que a vida de Ruby e Travis acaba se cruzando e em pouco tempo, ambos começam a se envolver. Movido pela adrenalina e coragem que Ruby supostamente demonstra ter quando o conhece, Travis leva a garota para viver aventuras um tanto quanto perigosas e não tão certas assim. Travis é o típico personagem que não se importa com o que os outros estão pensando a seu respeito e quer apenas diversão; já Ruby, iludida por seu coração, acredita que talvez Travis seja a chave que ela precisa para ser uma pessoa diferente do que ela sempre foi. E é assim que ele acaba se tornando seu vício. E vice-versa.

A fim de libertar Ruby do buraco que ela começa a se afundar, sua mãe passa a levar para o Clube do Livro, e a garota acaba vendo que o clube não é tão chato assim e que talvez as Rainhas Caçarolas possam ensiná-la mais coisas do que achava que poderia aprender com senhoras.

Bonitinhos o livro Meu amor, Meu bem, Meu querido é inegavelmente uma leitura leve, despretensiosa. O livro não traz grandes emoções e cenas que deixam sem fôlego. A leitura desperta os mais variados sentimentos, que podem ir desde um sorriso no rosto a medo de que algo dê errado; mas em mim o que mais senti em grande parte da leitura foi indignação. Porque pela sinopse você acaba pensando que Travis é um cara problema, desses que você sabe que a garota principal deveria ficar longe, mas ela é boba o suficiente para deixar-se atrair por ele e acabar se metendo em várias confusões. Porque é claro que se a mãe de Ruby faz de tudo para tirá-la desse universo perigoso chamado Travis, o garoto é realmente um grande problema... Certo?

Errado. Não mesmo. Porque isso é o que o livro promete dizer, mas será que diz mesmo?



De antemão te digo que a história não tem o foco "casal e perigos" entre Travis e Ruby. Na verdade, Deb Caletti prometeu falar sobre X e falou sobre Y, entende? Nada ver uma coisa com a outra. Se você está querendo ler esse livro por conta desse relacionamento, já te adianto que ok, no começo do livro você vai simplesmente querer devorá-lo porque sim, o começo é viciante. Mas do meio para adiante, a percepção que traz é de que a autora está enganando o leitor. Porque o que você vai ler realmente é sobre o Clube da Leitura discutindo sobre um livro, junto a um suposto suspense envolvendo o autor do livro e uma das frequentadoras do clube, que parecem ter tido um relacionamento no passado. Não me leve a mal, eu acho super bacana clube de leituras e tudo o mais, mas nesse caso Deb Caletti acaba tirando o que seria instigante na história e tornando o desenrolar dos fatos um tanto quanto maçantes.



Já li Um Lugar para Ficar, outro livro lançado aqui no Brasil da autora (e que inclusive tem resenha é só clicar aqui), e tive a mesma sensação desse livro. O assunto que, ao menos pela sinopse, promete ser o ponto principal, parece ser esquecido no decorrer da leitura e você fica querendo saber o que aconteceu entre os dois ou com os dois personagens, mas a autora enrola, enrola, enrola até o final. O principal motivo de eu não ter largado o livro no meio do caminho é porque eu tive esperanças de que ela voltaria a falar sobre a “promessa do livro”, mas que acaba não passando de apenas uma promessa. A autora deixa pontas soltas no começo como se fosse voltar a falar daquilo, mas não. O livro toma rumos meio que inesperados depois de te deixar com "água na boca", se perde no meio do caminho e, ao final, tem uma resolução aleatória, sem importância. Como se a autora não estivesse tão preocupada assim em dar continuidade com o que deveria ser o ponto principal do livro.

Fazendo um paralelo entre os dois livros da autora, achei os personagens muito similares. Se você leu o outro livro e ler esse, provavelmente poderá ter a mesma sensação que eu tive. Os personagens, no fim, se encaixam na mesma personalidade, estilo, fala... A única diferença é que estamos falando de outro livro de Deb Caletti e de personagens com nomes diferentes. Se não fosse isso, poderia facilmente classifica-los como sósias um dos outros. O enredo, o contexto geral também poderia se encaixar nessa categoria. É algo como você fica achando que os assuntos dos livros são polêmicos e que darão excelentes livros, mas parece que a autora se perde e conduz a história a rumos que, sinceramente, não tem nada a ver. Nos dois livros.

O livro certamente mostra que o personagem Travis não é um bom caráter, mas ele não me convenceu como sendo de fato o bad boy da história. Ele só anda de moto que nem um doido e comente delitos reprováveis, mas não acho que se encaixa na proposta que Deb Caletti traz para ele. As Rainhas Caçarolas e sua aventura são até legais e um trouxeram alguns momentos bacanas e divertidinhos na história; situações fofas também. Mas, não me levem a mal, não curti acompanhar esse outro lado da história o livro todo. Além disso, todo o drama que a sinopse propõe envolvendo a mãe de Ruby tentando arrancá-la do perigo se torna mais exagerada do que de fato é.

Se pensarmos na lição que a história traz sobre amor e amizade, ok, podemos até considerar que a história é legal e tal, porém mesmo assim, não é "tudo isso" a história, sabe? Como disse e repeti, não é o que parece.

Não sei se é algo pessoal, mas não pretendo dar tanta prioridade aos livros da autora, a partir de então. São livros “meio termo”. Não é romance, não é jovem adulto... Fica ali no meio termo, sabe? Ah, e a avaliação também. Meio termo.

(Bom)

Booktrailer:


Se você quiser conferir esse livro, tirar suas próprias conclusões e depois comentar aqui, ficarei feliz em conversarmos sobre o assunto!
quotes fofos e adoráveis do livro? (clique aqui)

6 comentários:

  1. Oie Daisy, tenho a maior vontade de ler algo da autora, mas fui desanimando pois todas as resenhas que eu lia a respeito, falava sobre a falta de foco na trama.
    Acho que vou começar com este, e depois ler o outro dela que tenho aqui.
    bjos

    ResponderExcluir
  2. Olá Daisy
    Eu esperava um pouco mais deste livro, mas saber que ele fica num meio termo não me agrada nada. Vou aguardar um pouco e deixá-lo de lado no momento.

    Estou seguindo seu blog para acompanhar as atualizações e sempre que puder fazer uma visita.
    Abraços

    http://reaprendendoaartedaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi, tudo bom?
    Passando para deixar um comentário rsrs
    Já vi bastante gente falando bem do livro ,
    mas não me interesso muito por ele !!
    Maravilhosa resenha :)
    Beijos*-*
    Território das garotas
    http://territoriodascompradorasdelivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir