Uma leitura bem decepcionante...

by - janeiro 06, 2017



Quem já deu uma fuçada nas resenhas do blog deve ter percebido que já fiz a leitura de 3 livros da Colleen Hoover. Tive boas experiências com a leitura de "Em busca de Cinderela" e "Nunca Jamais" (o qual aguardo muito a continuação); e outra não-tão-boa-assim com "O lado feio do amor". Mas, num balanço geral, eu até que gosto da escrita dela. E foi por isso que decidi ler mais um livro da autora.

"Novembro, 9" foi lançado no finalzinho do ano passado pela editora Galera Record. Assim como todos os livros anteriores da autora, "Novembro, 9" trazia uma nota bem alta no Skoob e Goodreads, além de comentários bem positivos de leitores. Então, entre ler esse ou "Talvez um dia", resolvi arriscar em "Novembro, 9". Até porque, eu já havia lido uma resenha bem negativa de "Talvez um dia" que me deixou super com o pé atrás. Os pontos que a pessoa apontou não ter gostado no desenvolvimento da história eram exatamente os que eu não gosto em livros. Então, resolvi passar. Mas quando surgiu a oportunidade de ler esse livro, eu achei que seria bem interessante. E foi uma pena ter sido uma enorme decepção.

Novembro 9 acompanha a história de Fallon e Ben. Fallon conhece Ben, um aspirante a escritor, bem no dia da sua mudança de Los Angeles para Nova York. A química instantânea entre os dois faz com que passem o dia inteiro juntos – a vida atribulada de Fallon se torna uma grande inspiração para o romance que Ben pretende escrever. A mudança de Fallon é inevitável, mas eles prometem se encontrar todo ano, sempre no mesmo dia. Até que Fallon começa a suspeitar que o conto de fadas do qual faz parte pode ser uma fabricação de Ben em nome do enredo perfeito. Será que o relacionamento de Ben com Fallon, e o livro que nasce dele, pode ser considerado uma história de amor mesmo se terminar em corações partidos?


Normalmente eu tento relevar o máximo possível aqueles romances bem instantâneos - o famoso instalove. Mas infelizmente, em "Novembro, 9" a coisa acabou ficando impossível de relevar.

Não que eu seja super chatinha e exigente demais, mas me incomoda quando um personagem se apaixona pelo outro rapidamente, sem que o autor construa o romance de uma forma que o leitor torça por aquele amor ou consiga imaginar que aquele romance é plausível. E talvez esse tenha sido o ponto que mais me atrapalhou nessa leitura. Como nesse livro os personagens se veem apenas uma vez no ano, na minha cabeça vinha logo aquele questionamento de se todo o amor que eles julgavam ter realmente poderia acontecer.

Até porque (pelo menos na minha visão), você pode até gostar ou sentir atração por uma pessoa ao vê-la uma vez por ano, isso considerando que a pessoa não tenha qualquer outro contato com ela nesse período (incluindo troca de e-mail, Whatsapp, Facebook...). Mas ter aquele amor arrebatador, do tipo "largo tudo pra ficar com você" ou "vamos morar juntos mesmo tendo nos conhecido há um dia", não gente. Eu não consigo acreditar e comprar essa ideia. E como o romance dos dois é o ponto central do livro, ao desconstruir essa imagem do relacionamento deles na minha cabeça, todo o livro passou a não ter mais sentido algum pra mim.

No livro também tiveram momentos em que a autora forçou um encontro de personagens num momento que seria impossível que acontecesse, assim como criou alguns relacionamentos que (pra mim) foram MUITO sem noção. Mas, como estou deixando bem claro, fui eu que achei absurdo. Você pode não achar, é claro.

Nos livros que já li da Colleen, ela sempre coloca um plot twist - aquela cena que muda tudo, um acontecimento inesperado, algo que surpreende o leitor. E isso acontece também em "Novembro, 9". Mas confesso que eu não gostei. Senti como se a Colleen tentasse justificar um acontecimento super drástico com uma atitude que não soou nem um pouco positiva.

Enfim. Esse livro foi um compilado de coisas que eu não gosto. Acredito que uma das poucas coisas que deram certo na história foi a escrita da Colleen que, apesar de tudo, tem um ritmo muito bom. O fato da personagem principal fugir do estereótipo físico, foi outro fator que acho muito bacana e que deveria ser mais usado na literatura.

É engraçado porque as experiências negativas que tenho com a Colleen Hoover sempre são tão marcantes que me fazem questionar se eu REALMENTE quero passar por esses momentos de desgosto em uma leitura. Na minha opinião, a leitura deve ser prazerosa, mas se ela se torna desgostosa, não há motivos bons o suficiente pra você continuar lendo determinado livro. Eu até tenho interesse em ler Métrica e vou continuar a leitura dos próximos lançamentos de "Nunca Jamais". Mas pra mim para por aí. Não tenho nem interesse em assistir "O lado feio do amor" nos cinemas. Acho que já deu o que tinha que dar (pra mim)...
---
INFORMAÇÕES:
LIVRO: Novembro, 9
TÍTULO ORIGINAL: November, 9
AUTOR: Colleen Hoover
EDITORA: Galera Record
PÁGINAS: 349
AVALIAÇÃO: 2 de 5 estrelas
COMPRE (links): Amazon, Livraria da Travessa e Livraria Cultura
COMPRE O LIVRO EM INGLÊS: Amazon

E vocês, já leram esse livro ou outro da Colleen Hoover? Contem aí.

Você também vai gostar

0 comentários