A Namorada do Meu Amigo, Graciela Mayrink

INFORMAÇÕES:
EDITORA: Novo Conceito
PÁGINAS: 334 páginas
AVALIAÇÃO: 4 de 5 estrelas (Ótimo)
COMPRE: na Livraria Travessa, no Submarino
BAIXE OS PRIMEIROS CAPÍTULOS: Clique aqui

VOCÊ TROCARIA SEU AMIGO PELO AMOR DA SUA VIDA?
Antes de você achar que esse livro é totalmente clichê, espere um minutinho. Acho que esse é o ponto principal que pode nortear a sua decisão de ler ou não esse livro, e não vou negar que pensei exatamente assim antes de iniciar a leitura. Afinal, com um título desse a gente acha que já pode deduzir o começo, meio e principalmente o final dessa história, mas talvez não seja bem assim.

"A Namorada do meu Amigo" conta a história de três amigos desde a infância: Cadu, Caveira e Beto, além de uma garota que enchia o saco dos três, Juliana, ou Juju. Logo de antemão sabemos que Juliana está indo embora e, acompanhando tudo sob a perspectiva de Cadu, também tomamos ciência de que a única coisa que ele consegue sentir com a notícia é um grande alívio já que para ele (e seus amigos), a garotinha é muito chata. Anos depois, muita coisa muda e Cadu e seus amigos não tiveram mais notícias da Juju. Em mais um retorno das férias de verão, Cadu descobre que muita coisa aconteceu em sua rápida ausência. A Juju voltou e está muito mudada. Tão diferente que para ele fica difícil de acreditar que aquela garotinha da sua infância que ele achava tão insuportável, tenha se tornado uma mulher interessante, bonita e atraente. Não dá outra, Cadu acaba se apaixonando por Juliana quase instantaneamente! E isso não seria problema nenhum, caso ele não soubesse que Beto, um de seus melhores amigos, já a está namorando. E que, caso ele não queira estragar tudo entre a amizade deles, Cadu tem mais é que ficar longe de Juliana - para evitar problemas. Mas não que isso seja assim tão fácil.

Nunca havia lido nada até então da autora nacional Graciela Mayrink, e ler "A Namorada do meu Amigo" foi uma experiência, no geral, bem gratificante. Acredito que os diferenciais nesse livro não estão na sinopse ou na proposta do livro. Porque, é claro, se você ler a sinopse vai ficar com aquela sensação de que já ouviu falar em algo assim, bem desse tipo de amor proibido, em algum outro livro e/ou filme por aí. E é nesse ponto que posso dizer que Graciela Mayrink arriscou bastante em apostar numa história como essa. Mas isso não foi à toa. A autora certamente sabia como criar uma forma de prender a atenção do leitor até o fim do livro, mesmo com uma problemática tão simplória e comumente vista por aí.

Nesse livro, temos todos os fatos narrados por uma visão masculina – algo diferente do comum – e que a autora soube explorar bem! Já que a autora é mulher, seria muito fácil pender para a linha de raciocínio feminina. Sabe aquele lado mais emocional, menos racional, e tudo mais? Bem isso. Mas Graciela não se perdeu nisso e não descaracterizou o personagem.

A premissa da história pode não ser tão original, mas meus caros leitores, o desenvolvimento da história consegue prender muito a atenção. Acompanhamos o dia-a-dia de Cadu, as problemáticas normais da vida, os dilemas da faculdade, as excessivas festas (até demais às vezes) etc, etc, etc., de uma forma bem divertida e interessante. Eu que nem ia começar a ler esse livro e peguei para dar uma rápida folheada, consegui ter vontade e criei expectativas em continuar a ler a história pelo simples fato da escrita da autora ser bastante convincente e fluída. Em nenhum momento senti o desenrolar da trama tedioso e/ou chato.



É claro que tiveram muitas coisas que me fizeram torcer o nariz enquanto lia a história. Não concordei com a maioria das atitudes do personagem principal e isso me incomodou bastante. O fato de ele dizer que lutava contra esse sentimento de estar apaixonado pela namorada de seu melhor amigo, já que sabia e considerava tal fato como errado, mas na prática Cadu fugia completamente do que falava, me deixou bastante irritada em muitas partes da história e, sem dúvidas, não me fez torcer para que a situação se invertesse e Juju fizesse um casal com ele. Engraçado que o Beto, o tal namorado da Juju e amigo do Cadu foi outro personagem que não torci tanto para ele. O Beto era aquele tipo de pessoa que diz "faça o que eu digo, mas não o que eu faço", sabe? E a super proteção que ele nutria com as irmãs, mesmo que isso possa ser algo real, foi um tanto quanto incômoda e desnecessária. O Beto era chato, na maioria das vezes. Acredito que o mais divertidinho era o Caveira.

Pensando e pendendo para o lado pessoal da coisa toda (já que fica quase impossível falar sobre minha avaliação da história sem envolver minhas percepções pessoais) acho que passear por esse ponto de falar sobre traição em um livro e escolher de qual lado ficar, pode ser um tanto quanto complexo, já que envolve muito da percepção pessoal de cada pessoa, ou talvez dos valores de vida de cada um. Acredito que talvez esse tenha sido o maior motivo de eu não ter me agradado tanto da história. Eu não torci para que ele ficasse com a Juju e permaneço com meu ponto de vista HE-HE. Porém quanto a escrita da autora, e o fato de fazer conseguir me envolver muito com tudo que aconteceu MESMO reprovando as atitudes do principal, Graciela Mayrink se tornou uma das escritoras nacionais que realmente pretendo continuar acompanhando seus livros. Ela tem uma escrita realmente envolvente.

8 comentários:

  1. Sua resenha me deixou super curiosa para saber quem fica com Juju rsrs Tema meio comum realmente, mas espero pensar como vc pensou sobre o desenrolar da história quando ler o livro...

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem?

    Esse livro não faz muito o meu estilo de leitura, mas não digo que não leria. Se eu ganhasse até teria coragem. Beijos!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pensei assim também, mas até que foi divertidinho ahaha

      Excluir
  3. Olá, tudo bem?

    Esse livro não faz muito o meu estilo de leitura, mas não digo que não leria. Se eu ganhasse até teria coragem. Beijos!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi, Daisy!

    Eu prefiro o "Até eu te encontrar" a este. Acho que no meio acabei ficando um pouco cansada com a leitura - demorou muito para acontecer alguma coisa, acho que o livro poderia ser mais enxuto. Eu gostei, mas não tanto quanto gostei do outro. Você deveria ler o primeiro da autora, que é ótimo :) Eu fiquei apaixonada pela história!

    Beijos
    literalmentefalando.com.br

    ResponderExcluir
  5. Comprei esse livro faz poucos meses numa promoção do submarino. Ele me chamou atenção por vários motivos: ser de uma autora brasileira; parecer ser uma leitura leve, descontraída, fluida; e ter recebi críticas positivas. Mas não sei porque ainda não li. Sempre dou preferência para outros e ele vai ficando, vai ficando...
    Gostei da resenha, vou tentar colocá-los na lista do mês que vem e não tirá-lo.

    ResponderExcluir
  6. Eu até que estava interessada neste livro, mas depois da sua resenha, creio que perdi a vontade de lê-lo. A história parece ser tão simplória e sem graça. Mas gostei da sua sinceridade na resenha.

    Bjkas :)
    Marina
    afinsdaleitura.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.