Resenha: Orgulho e Preconceito — Jane Austen

by - janeiro 22, 2012

Livro: Orgulho e Preconceito
Livro (nome original): Pride and prejudice
Autor (a): Jane Austen
Editora: Martin Claret
Páginas: 304
Onde comprar: Martin Claret; Submarino; Compare Preços.
Sinopse: Um dos nomes de maior prestígio da literatura inglesa, Jane Austen (1775-1817) começou a manifestar talento para as letras ainda na adolescência. Seus romances descrevem, com notável argúcia e sutil ironia, a sociedade rural inglesa de seu tempo, por meio de entrelaçamento de personagens e sentimentos da vida comum. Orgulho e Preconceito (1813) é a envolvente história de Fitzwillian Darcy e Elizabeth Bennet, os quais, à primeira vista (aliás, Fisrt Impressions, "Primeiras impressões", foi o título originalmente dado por Jane Austen a esta obra), não têm uma boa opinião um do outro, mas, no desenvolvimento do enredo, acabam descobrindo que estavam totalmente enganados. Orgulho e Preconceito é a obra mais aclamada desta autora, não só no Reino Unido como em todo mundo, e tem sido frequentemente adaptada para o cinema, televisão e teatro, com grande sucesso de público e crítica. 
O clássico Orgulho e Preconceito da incrível Jane Austen, publicado em 1813 que rendeu a filme, minisséries e readaptações televisivas, elementos esses somados a resenhas positivas, provam o quanto esse livro tem algo de especial que merece sua devida atenção. E eu me arrependo de não ter lido antes! Quantas emoções senti com a leitura, que iam de amor, amargura, ódio, um misto de sentimentos que Jane Austen sabe muito bem como provocar e também como dosar as emoções nas páginas, de modo que há momentos em que você não vai conseguir ir dormir sem terminar de ler aquele capítulo... Ah, não vai mesmo. Fiquei tão extasiada em alguns momentos que até sonhei com os personagens. Enfim, foi uma leitura extremamente agradável, prazerosa e proveitosa a mim, de tal modo que questionei a mim mesma as diferenças nítidas entre a sociedade daquela época e a sociedade presente, quanta diferença
"(...) é irrecuperável a perda da virtude na mulher; que um passo em falso provoca a sua ruína definitiva; que a reputação não é menos frágil que a beleza (...)" página 228
O livro nos leva a pensamentos e questionamentos infindáveis, que vão desde a validade real das primeiras impressões a respeito de outrém; até onde manter-se com extremo orgulho interfere na própria felicidade; se o amor no casamento é melhor do que o interesse financeiro, de fato; e o quanto a reputação de alguém ou de uma família fala por si própria; além de outros que me fizeram refletir. Após essa pequena grande introdução, posso começar a resenha, de fato.
Jane Austen nos introduz, inicialmente, a família dos Bennet; o Sr. e a Sra. Bennet são os pais de cinco moças: Lydia, Kitty, Mary, Elizabeth e Jane.  Uma família anarquizada como a dos Bennet, é marcada por "um pai ausente, uma mãe incapaz de fazer nada, que exigia cuidados constantes" e louca para casar as filhas; as duas mais novas completamente alvoroçadas e impertinentes, a outra (Jane) recatada em exprimir seus sentimentos; destaca-se Elizabeth Bennet, uma moça de opinião firme, julgada pelo pai como a mais inteligente de todas as irmãs, sabe o que quer da vida e tem uma ironia sutil em suas falas.
Assim que a família tem a notícia de que Netherfield, uma propriedade próxima a deles, foi alugada por um jovem de grandes posses; a Sra. Bennet logo de início com seu imenso desejo de ver todas as filhas bem casadas, impulsiona o marido a fazer uma visita ao novo morador para firmar um breve contato antes de toda a vizinhança. E é aí que tudo começa.
Logo de início, dá-se um baile e o novo vizinho é incorporado no evento; só que o jovem de grandes posses, o Sr. Bingley, não vem sozinho para Netherfield; traz consigo mais quatro pessoas, o que inclui sua irmã, a Srta. Caroline Bingley, a outra irmã, Srta. Hurst e o cunhado e por fim, o Sr. Darcy, um homem tão rico (e mais) do que Bingley. Bingley consegue conquistar a simpatia dos residentes da comunidade, e de Jane, em particular; entretanto, o Sr. Darcy, com seu caráter reservado e um tanto quanto orgulhoso causa péssimas impressões entre todos, o que inclui Elizabeth quando ouve uma conversa onde é rejeitada por sr. Darcy a uma dança.
"É suportável, mas não bonita o bastante para me animar; não estou com paciência no momento para dar atenção a mocinhas que foram desdenhadas por outros homens".
E então, a partir das primeiras impressões, a antipatia é mútua; viam em cada um defeitos incorrigíveis. Entre encontros, desencontros, passeios e bailes, ambos percebem que seus julgamentos estavam ardentemente errados.
No começo, o sr. Darcy mal admitia que ela fosse bonita; olhara para ela sem nenhum entusiasmo durante o baile (...) Mas assim que se convenceu a si mesmo e aos amigos de que seu rosto não tinha nenhum traço belo, começou a descobrir que ele se tornava excepcionalmente inteligente pela bela expressão de seus olhos negros. A tal descoberta se seguiram algumas outras igualmente torturantes. (página 30)
Jane Austen, como mencionei nesse post aqui, constrói tão bem seus personagens que a cada fala, mesmo com a ausência de "fulano disse" ou "fulana respondeu", você sabe exatamente quem foi o autor daquela fala ou opinião. É um livro que indico para todos! Avaliação:  (favorito)
Espero que tenham gostado!
Digam o que acharam, se já leram ;)
Beijos!!

Você também vai gostar

7 comentários

  1. essa é minha obra preferida da JA!
    Acho que ao terminar a leitura toda mulher sonha com o Mr.Darcy...rs
    Gostei da sua resenha!!
    O filme com a atriz keira no papel da Elizabeth é muito bem adaptado, e tem várias cenas que foram incluídas que eu gostei bastante.
    Bjos

    Jack
    www.mybooklit.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oie, sou simplesmente apaixonada por essa historia, já assisti série, já vi o filme varias vezes, mas ainda não li o livro acredita???? Mas ele esta aqui comigo, em breve vou lê-lo.

    Jane escreve tão bem, apaixonante.
    Sua resenha me deu mais vontade ainda de ler.

    Bjs

    Amanda

    ResponderExcluir
  3. Nossa hein que livro, quando li e vi a capa pensei hein algo super diferente por isso não me chamou muita a tenção, mas lendo sua resenha eu adorei menina...
    Vou colocar em minha lista

    Beijo
    http://marifriend.blogspot.com/
    @Storieandadvic

    ResponderExcluir
  4. Eu não li, nem tenho esse livro.
    Na verdade eu tenho um outro mais cômico que se chama ORGULHO, PRECONCEITO E ZUMBIS que é com os mesmos personagens, mas é outra estória,rsrsrs
    Tenho muita vontade de ler o original e tbm assistir o filme!!!
    Adorei a resenha!!!

    Bjkasss

    ResponderExcluir
  5. Oie!
    Vi o filme antes de ler o livro.
    Do filme gostei tanto que não sosseguei enquanto não li o livro.
    E fiquei gratamente surpresa com a ótima adaptação.
    O livro é mais profundo e eu amei tê-lo lido! É maravilhoso de verdade!
    É um dos meus favoritos, e acho q é realmente o melhor da Jane.
    A Abadia de Northanger começou muitíssimo bem e estou gostando muito tb! Recomendo!
    Obrigada pela visita!
    Beijos!!
    Rose

    ResponderExcluir
  6. Esse livro é muito bom, um dos meus clássicos favoritos.
    ótima resenha <3

    ResponderExcluir
  7. Se você está procurando uma clássica história de amor com a quantidade certa de ação, drama, romance e uma heroína que atrai, esta é a sua história. Jane Austen é uma leitura obrigatória para todas as gerações.

    ResponderExcluir