domingo, maio 24, 2015

Divergente (Filme)

Você deve estar pensando que sou maluca em falar sobre um filme que já passou há tanto tempo e pode estar, dependendo de seu ponto de vista, "saturado". Eu sei que não é novidade para ninguém o filme e o livro. Porém aí vai um ponto importante: assisti o filme há não tanto tempo assim e acho bacana vir falar sobre ele aqui assim como a maioria dos outros que assisto e acho memoráveis a ponto de comentar. Ah, e já adianto que vai ter resenha do livro também em breve! Então se você não se interessa muito por Divergente, que tal conferir as outras resenhas de livros e filmes que já passaram por aqui? Quem sabe você se interessa por alguma outra dica que não seja essa? Clique aqui para conferir a lista de filmes já resenhados no blog.



Assisti Divergente quatro vezes. Bom, pra falar a verdade, três e meia já que ainda não terminei de rever pela última vez. Você deve saber sobre o que conta a história. Em uma Chicago futurista, as pessoas são divididas em facções na sociedade. Essas facções determinam seu lugar no mundo em vários sentidos, seu futuro e até mesmo a profissão que vai seguir pelo resto da vida. Cada uma delas está ligada intrinsecamente com algum tipo de característica de personalidade dominante. São elas: Abnegação (se relaciona com o altruísmo), Erudição (inteligência), Amizade, Franqueza e Audácia (coragem).

Duas coisas em conjunto estão ligadas ao processo de determinação de facção: o teste de Aptidão que todos devem fazer em sua juventude. A partir de uma análise minuciosa de suas reações a determinadas situações, o Teste vai indicar qual a facção que é a mais adequada para escolha. Uso a ideia de "poder de escolha" porque no final das contas a própria pessoa que escolhe para qual facção quer ir. E aí entra o outro ponto que ia mencionar: há uma Cerimônia de escolha onde a pessoa determina qual facção irá viver pelo resto da vida. Mas isso não é tão simples quanto parece. Há uma série de pequenos pontos envolvidos nessa escolha que indicarão até mesmo sua própria sobrevivência na facção e na sociedade.

Beatrice Prior está perto de passar pelo seu teste de aptidão. Ao contrário de Caleb, seu irmão completamente altruísta, sua escolha não é tão nítida assim. Ela não consegue se ver como integrante da Abnegação, sua facção de origem, pelo resto da vida. Para piorar, não tem ideia de qual facção se encaixaria. Decidir a facção implica em uma série de consequências que podem ser boas ou ruins. Ser um transferido para outra facção significa que você não verá mais seus pais. "A facção antes do sangue" é um lema levado bastante a sério. Sua nova facção é sua nova casa e família. Não há como voltar atrás.

No teste de Beatrice, acaba descobrindo algo completamente confuso: ela é divergente. Suas características não se enquadram numa facção apenas. Isso é um grave problema já que divergentes são considerados uma ameaça para o sistema de facções. Sendo assim, Beatrice deverá escolher com sabedoria na Cerimônia. Mas também usar um pouco de sua intuição de modo que possa passar despercebida em sua nova "casa".

Ao escolher a Audácia como sua facção, a vida de Beatrice muda por completo. Além de ter que se adaptar com a rotina totalmente diferente e arriscada do lugar, ela conhece Quatro, um dos rapazes da Audácia que não parece muito acolhedor. Correndo riscos de vida ao ter que esconder quem ela de fato é, Beatrice, agora conhecida como Tris, deve conseguir passar na Iniciação da Audácia e se certificar de que ninguém saiba o que ela é de verdade. Só assim - e talvez - vai conseguir se manter viva até o final.

Desde a primeira vez que assisti a Divergente, me encantei com a premissa da história e sabia que iria querer conferir mais vezes, além de disseminar o filme por aí. Nessa nova "onda" de livros e filmes distópicos, fica bem difícil criar algo totalmente inédito e diferente. Em Divergente, além dos elementos que todo mundo gosta de ver em filmes no geral: como um pouco de romance, bastante ação, cenas de riscos, etc, etc, o filme consegue cativar pela personagem principal ser desafiadora, esforçada, determinada e corajosa. Apesar de suscetível a medos e receios como qualquer outro, Tris consegue ser uma personagem que cativa o telespectador e prende sua atenção até o final com seus dilemas e complicações da nova vida.



Não sou nenhuma expert de análise de filmes, mas achei que a atriz foi bem feliz quanto a sua atuação em Divergente. Não tem como não enxergá-la como Tris. Quando vamos assistir uma adaptação é claro que ficamos receosos quanto a isso. Mas creio que todos se encaixaram da melhor forma possível. Theo James fez um papel excelente mostrando o enigmático e durão Quatro. Ele conseguiu realmente dar vida ao Quatro que Veronica Roth escreveu nos livros. Os outros personagens cumpriram totalmente seu papel: a amigável e audaciosa Christina, o irritante Peter, Jeanine, Al, Eric, e todos os outros.

Uma das coisas que prende o telespectador no filme é o fato de torcer para que Tris não seja descoberta por ser Divergente. Apesar de a princípio não entendermos muito bem o que esse ponto específico significa, temos a ciência de que não é algo bom, tampouco aceitável pela sociedade. Na busca por respostas, acompanhamos o desenvolvimento da personagem principal, o romance que ela vivencia, as traições de pessoas próximas, as angústias de estar completamente sozinha tentando passar numa Iniciação complexa e arriscada, que exige muito de si.

Uma coisa que me incomodou um pouco foi uma cena específica onde os efeitos especiais foram daquele tipo "não convincentes", sabe? Com exceção disso, os cenários onde a história transcorre são bem feitos, quase como se fosse reais! A Chicago com seus prédios devastados e ruas caóticas ficaram incríveis. Até onde li do livro, tudo estava bem fiel e materializado conforme a visão que a autora nos passa na leitura.

A trilha sonora é incrível. As músicas combinam totalmente com o filme. As cenas onde uma ou outra entram, conseguem caminhar juntas com a emoção que aquilo deve passar. Indico a você baixar as músicas e ouvi-las. Funcionam muito bem por si só.

Quanto a inevitável comparação do livro versus filme, ou avaliação quanto a adaptação em si - se foi fiel ou não - ainda não posso dizer. Mas de qualquer forma, avaliando o filme por si só, vale a pena ser assistido. Se você gosta de filmes com ação, romance e suspense, vai gostar bastante de Divergente. É um amorzinho só e completamente viciante!

6 comentários:

  1. Acho que Divergente se tornou um dos meus livros favoritos (não só o primeiro livro mas toda a trilogia). Em relação a efeitos especiais, Divergente deixou a desejar mas Insurgente veio pra "consertar" tal erro, sabe? Shailene e Theo ficaram ótimos no papel de Tris e Quatro. Você relatou bem o que acontece no geral. :3

    Beijos, Utopia da Jess.

    ResponderExcluir
  2. Oi, tudo bem? Não se sinta doida por falar só do filme agora :p

    Lembro que eu terminei de ler a trilogia uma semana antes desse filme lançar, foi uma loucura. Diferente de muita gente eu ainda prefiro o primeiro filme do que o segundo... talvez pelo caso de fidelidade ao livro. Eu sei que o primeiro filme não ficou 100% fiel, mas tá bem mais fiel que Insurgente.

    Adorei sua opinião sobre o filme. É muito bom ler o que os outros estão pensando também.

    Beijos, Ana K | http://universoaoquadrado.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Não tem problema vir falar do filme "só agora", afinal muita gente ainda não viu. Eu sinceramente acho que quem ainda não assistiu, não sabe o que está perdendo! hahaha
    Eu assisti no fim do ano passado e só há poucos dias concluí a leitura. Ambos são ótimos!
    As atuações estão excelentes e eu achei muito engraçado ver a "Hazel" sendo irmã do "Gus" hahahahahahha enfim, Theo James se encaixa perfeitamente no papel de Quatro!
    A única coisa ~ruim~ é essa foto de divulgação extremamente photoshopada :p
    Fora isso, é um filme indicadíssimo!

    Ah, tem resenha do livro no blog <3

    Beijos,
    Duas Leitoras

    ResponderExcluir
  4. Olá
    eu ainda não vi o filme,e acho - particularmente - bem chato a história tipo, não me cativou
    o bastante para eu ler ou assistir rsrs
    Bjsk
    Passa Lá No meu Blog, Tem Resenha de A Herdeira de Hélzius - http://ospapa-livros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Não Li o livro, mas assisti o primeiro filme apenas. Infelizmente não tenho muita opinião formada sobre a série não, hushaus mas eu gosto, achei criativa a história.
    http://blogexplicita.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Ainda não assisti ao filme, mas quero muito ler os livros ;D

    http://confissoesdeumaaprendiz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir