O Diário da Princesa (filme)

Diário da Princesa (o filme) conta a história da adolescente Amelia Thermopolis (Anne Hathaway), ou simplesmente Mia, uma garota que mora com a mãe e tenta levar uma vida um tanto quanto comum para garotas da sua idade: divide uma paixão platônica com o garoto popular da escola, tem sua melhor amiga e confidente, Lilly, e dificuldades em falar em público. Mas é quando está próximo do seu aniversário chegar que sua vida sofre uma reviravolta: Mia descobre que seu pai era o Príncipe de Genovia, um pequeno e não-tão-conhecido-assim país europeu  - o que fazia dela a princesa de Genovia.
Sua avó a visita e a convida para assumir o posto de princesa desse país, afinal, eles precisavam de alguém para assumir o lugar que seu pai havia lhe deixado. Pendendo mais para a resposta negativa porque, convenhamos, Mia já tem dilemas demais no colégio para ter que arcar com mais um; ela então decide postergar sua resposta final, enquanto fica entre os dois pensamentos: aceitar ou não, com a promessa de que irá decidir em seu aniversário. Enquanto sua avó lhe dá aulas de etiquetas de como uma verdadeira princesa tem que se portar e agir, o tempo parece passar rápido demais e Mia precisa se decidir logo – afinal, o futuro de Genovia está em jogo, e o seu também...



Uma observação pessoal haha (porque sempre tem): Minha primeira experiência com Meg Cabot foi há muito tempo, quando eu ainda não conhecia o sucesso que a autora tinha com seus livros. O primeiro contato foi com o livro A Garota Americana. Eu o li emprestado da biblioteca, achei bem fofinho e tudo mais, mas não fiquei tão encantada assim. Pouco tempo depois, li Diário da Princesa. Lembro que a leitura foi bem prazerosa e engraçadinha, e que fiz uma nota de adquirir os livros porque pareciam ser fofos e divertidos. Eu não sabia que havia filme – e, bem, depois que soube fiquei com um pouco de preguiça de assistir hehe. Mas foi quando em um sábado à tarde o filme ia começar e eu não tinha nada a fazer, que resolvi dar uma chance. Antes que eu me esqueça de informar: esse post não será uma comparação do livro e filme – até porque minha memória de como eram os detalhes do livro são bem escassas – mas espero compartilhar com você um resumo da percepção que tive e de como a história é J.

O filme não é nem um pouco tedioso como eu pensava. Dei altas gargalhadas enquanto assistia, porque gente, é muito divertido! As falas e atitudes da Mia são simplórias e inocentes e acho que nesse ponto que traz um lado cômico da história. Afinal, ela só está tentando viver a sua vida e então essa “bomba” de ser princesa estoura e a adolescente tem que aprender a lidar com isso. Mas ela é jovem demais para querer se preocupar com o que assuntos da realeza, quando ela precisa tentar ser ela no meio desse “caos” todo que a adolescência propriamente dita, é.

Em suma, o filme é desses “levinhos” de se assistir em uma tarde comendo pipoca. O desenrolar da história é bem engraçadinho, o que pelo menos me fez lembrar dos tempos do colégio e o quanto a adolescência não é uma fase fácil de se passar – apesar de ser divertida, por você não ter responsabilidades e tudo mais. Acredito que esse fator de imposição na rotina já não tão simples assim de Mia – o “ser princesa” quando sua vida adolescente já está “complicada” demais, pois ela está tendo dificuldades em tentar ser normal no colégio – é um tanto quanto interessante de se ver. Afinal, Mia precisa "ser grande" quando o que ela mais quer é ser invisível e se esconder dos olhares alheios. E ela precisa aprender a conciliar sua vida normal com a vida de princesa. Em meio a isso tudo ainda temos paixões platônicas e dilemas da vida. Afinal, o que seria por esconderem por anos quem ela você (ou ela) é de verdade?




Comparando com o livro – eu disse que não ia comparar, mas na verdade nem é uma comparação, é só uma nota – há aspectos que notoriamente são divergentes do filme para o livro. Mas nada que faça de um spoiler para o outro. São mudanças necessárias que se tivessem sido mantidas integralmente como o livro, talvez não desse tão certo assim. Acredito que a adaptação encaixou certinha. Nada a tirar nem por. Uma adaptação de um livro para filme não é uma tarefa fácil, afinal, você tem que fazer com que aquelas tantas páginas de livro se tornem imagens que façam sentido e não percam a essência do livro. E ela está ali, implícita, mas está.
Eu indico pra você que quer se divertir, tanto o livro quanto o filme. Vale a pena se você quiser rir ou gargalhar um pouco. Muito bacana!!


INFORMAÇÕES:

Gênero: Comédia
Duração: 115 minutos
Lançamento: 18 de janeiro de 2002
Atores-destaques: Anne Hathaway e Julie Andrews
Dirigido por: Garry Marshall
Assistiria novamente!
Trailer:

2 comentários:

  1. Esse filme é lindo, queria ler os livros, mas no sebo só tem o segundo volume. Acho uma graça. Fora que Anne Hathaway é linda.

    caminhandoemmarte.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os livros da Meg Cabot são tão caros... Infelizmente...
      O filme realmente é demais!

      Excluir

Tecnologia do Blogger.