About Me

28 fevereiro 2016

O que eu gostei e o que não gostei em Corte de Espinhos e Rosas da Sarah J. Maas

| | 3 comentários
É bem provável que você já tenha ouvido falar da autora Sarah J. Maas. Ela ficou muito conhecida desde o lançamento da série Trono de Vidro (Throne of Glass) que aqui no Brasil foi publicada pela editora Galera Record. Em seu mais recente lançamento, Corte de Espinhos e Rosas, a autora vem com a promessa de um livro cheio de magia, romance e ação, inspirado no conto de fadas de A Bela e a Fera.



Corte de Espinhos e Rosas se passa em um mundo onde humanos e féericos coexistem separados apenas por uma muralha invisível e um Tratado de Paz. Nesse mundo, conhecemos Feyre, uma humana que reside em um chalé pobre com o pai, um mercador manco e falido, e as duas irmãs. Mesmo sendo a caçula da família, é Feyre quem provê o sustento, caçando com seu arco e flecha na floresta, um lugar perigoso e cheio de lendas sinistras. Em uma de suas caças por comida, Feyre acaba matando um grande lobo. O que ela não esperava era que aquele não fosse um simples animal, mas sim um ser feérico.

Pouco tempo se passa até que uma criatura bestial apareça na casa de Feyre para reclamar a vida do ser feérico outrora morto. De acordo com as regras do Tratado entre humanos e feéricos, Feyre deve ser morta ou levada em troca da vida do lobo para viver além dos muros, na Corte Primaveril - um dos territórios feéricos além dos muros, onde Feyre já ouviu boatos não tão agradáveis. Uma vida por outra vida. Após ser obrigada a seguir a fera, a certeza pulsa ainda mais forte dentro dela: Feyre sabe que não vai sair dali viva.

Levada para a terra mágica, a garota acaba descobrindo que a criatura, na verdade, é um féerico cujo nome é Tamlin e ao contrário do que esperava, Tamlim não a trata com desprezo e raiva, mas tenta fazê-la se sentir extremamente confortável em sua mansão. Vivendo em um território onde criaturas mágicas e sinistras aparecem à espreita, à medida que Feyre conhece mais das terras feéricas, descobre que uma praga fere aquele lugar, e ainda que caberá a ela ajudar a detê-la, ou todos estarão condenados eternamente.

Nunca tinha lido nada da Sarah J. Maas, mas já faz um bom tempo que estava querendo ler algo dela pelo simples motivo de ter ouvido tantos elogios sobre a outra série, Trono de Vidro, que eu simplesmente precisava saber o que de tão incrível tinha na escrita da autora! Por isso, quando surgiu a oportunidade de ler Corte de Espinhos e Rosas, não pesquisei muito a respeito da história para tudo ser surpresa. Eu só ouvi falar que o livro era muito, muito bom, tinha uma capa que era a coisa mais linda (a capa original é muito atraente, mas a da Galera Record não fica muito atrás) e uma história de tirar o fôlego! Após ter já finalizado a leitura, posso dizer que sim, o livro tem grande potencial mesmo, e faz jus ao tamanho do sucesso que teve lá fora desde o lançamento. Mas muitas coisinhas me incomodaram durante a leitura, e entre comentários negativos que fiz enquanto estava lendo lá no SKOOB (adiciona lá) HEHE percebi que quem não curtiu tanto o livro ou deu uma nota baixa teve motivos parecidos com os meus. E eu conto tudinho logo abaixo.

23 fevereiro 2016

Resultado do Sorteio: "Um Lugar para Ficar"

| | 1 comentários
Finalmenteeee o resultado do sorteio!


Antes, quero agradecer a todo mundo que participou  Muitas pessoas se inscreveram e seguiram as regras direitinho, o que foi muito legal! Valeu mesmo gente!!  Terão outros sorteios em breve aqui no blog! Pretendo fazer no mesmo esquema desse pelo menos um sorteio a cada um mês e meio ou algo assim. Então, caso você não tenha ganhado, não se preocupe porque teremos mais e mais sorteios de livros em breve, ok?

A vencedora (simmm, foi mulher) veio lá do Twitter e ganhou com as chances extras!  Vou entrar em contato com ela e caso não responda até o prazo estipulado, farei outro sorteio e publicarei nessa postagem o vencedor, ok?


Tenham um excelente restinho de dia!

19 fevereiro 2016

Porque "Os Dez Mandamentos" NÃO é só mais um filme bíblico

| | 7 comentários
Acho que todo mundo já deve ter ouvido falar sobre o sucesso cinematográfico do filme Os Dez Mandamentos, certo? O filme mostra o tamanho da força do cinema nacional através de sua marca estrondosa de sucesso de bilheterias. Atualmente, o filme conta com mais de 5 milhões de ingressos vendidos para pessoas que foram aos cinemas contemplar a produção brasileira. E eu fui uma dessas pessoas. Duas vezes.



Para quem nunca ouviu falar sobre essa história, o filme é a transcrição da vida de Moisés, narrada na Bíblia no livro de Êxodo. A produção segue Moisés tempos antes de seu nascimento e se estende por toda a sua vida, até o dia de sua morte. No final do filme, temos ainda cenas que mostram um gostinho do que poderemos esperar para uma continuação.

A história começa quando Moisés nasce em uma época um tanto quanto conturbada no Egito. O povo de Israel que habitava nessa região se multiplicava muito, e o Faraó, temendo, baixou um decreto onde todo bebê menino deveria morrer, sendo lançado no lago. Quando Moisés nasce e por conta de tal decreto, eles o mantêm escondido por algum tempo. Mas vendo que não poderiam mais continuar escondendo, decidem colocá-lo em um cesto e deixá-lo no rio. Com a filha de Faraó banhando-se próximo ao rio, ela acaba encontrando o cesto e então por compaixão ao garoto, o leva para ser criado no palácio do Egito.

Os anos se passam e Moisés, curioso em saber sobre seus antepassados, acaba descobrindo que suas origens vêm do povo escravo e ainda que sua família está viva. Por conta disso, sua visão sobre a opressão do povo hebreu acaba fazendo com que tome uma atitude, num momento critico. Tal atitude acaba o forçando a fugir para o deserto. E nessa saída do Egito que dura anos, Moisés acaba se hospedando em Midiã, local onde constitui família. Porém, por conta de um chamado de Deus, ele se vê retornando ao Egito a fim de livrar seu povo da escravidão.

O filme conta com cenas memoráveis como a travessia do povo hebreu pelo Mar Vermelho e as pragas lançadas no Egito. A produção ficou muito bem feita, assim como os efeitos que não me fizeram tirar os olhos do filme em nenhum momento. O filme ainda conta com algumas cenas extras que casam bem com a necessidade de condensar a história original exibida na TV - era preciso que fosse uma história um pouco mais corrida já que a história de Moisés é originalmente bem longa.

15 fevereiro 2016

Lançamentos literários legais para fevereiro

| | 4 comentários
Já faz um tempãooooo que não escrevo para o blog, e ainda mais essa "coluna", maaas para quem estava com saudades de conferir as novidades em livros por aqui, tchã-rammm, está de volta!

Para o segundo mês do ano, não vimos tantos lançamentos como no meses anteriores (provavelmente porque todo mundo está se adequando após o longo feriado, inclusive as editoras hahaha), mas isso não quer dizer que não tenham coisas legais. Tem de tudo um pouco e, melhor, para os mais variados gostos literários! Eu já atualizei meu perfil lá no SKOOB (x) com os livros que achei legais (e quero ler, tipo, pra ontem), e trouxe alguns aqui para vocês. E então, bora conferir? 

QUERO LER 


A Garota sem Passado - Michael Kardos | SINOPSE | COMPRAR
Uma Mulher Perfeita - James Grippando | SINOPSE | COMPRAR
Pode Beijar a Noiva - Patricia Cabot | SINOPSE

Para quem gosta de livros com suspense ou os maravilhosos thrillers, "A Garota sem Passado" parece ser um prato cheio! A sinopse me lembrou do filme "Lugares Escuros" e de "É Melhor não Saber", livro da Chevy Stevens. Se é parecido eu não tenho certeza, mas já quero!!
A sinopse de "A Mulher Perfeita" me lembrou algumas coisinhas que assisti no filme "Garota Exemplar". Não vou dizer exatamente o que é porque seria spoiler, mas veremos se esse livro é isso tudo (p.s.: adorei a capa, apesar de macabra).
E por último, temos a diva Meg Cabot que escrevendo sob o "pseudônimo" de Patricia Cabot (que não é bem um pseudônimo), tem dois de seus livros relançados com capas novas e lindinhas! Ainda não conferi nenhum romance histórico da autora, mas depois de ler recentemente "Uma Semana para se Perder", estou na vibe desse tipo de livro. Já quero!